Consórcio de milho com brachiaria: dicas para sua implantação

A agricultura atual vem passando por um processo de intensa maximização de uso do solo, dos insumos e dos conhecimentos tecnológicos, visando a máxima produtividade e rentabilidade, sempre em bases sustentáveis. Neste processo o consórcio de milho com Brachiaria vem se tornando bastante difundida.

O consórcio de milho com braquiária é caracterizado por ser uma tecnologia onde se cultivam estas duas espécies juntas com o objetivo de produzir grãos ou silagem, além de palhada para cobertura ou pastagem para pecuária.

Os benefícios deste consórcio são muitos, principalmente quanto à sustentabilidade da produção.

Mas para que essa tecnologia tenha o sucesso esperado é importante que alguns cuidados sejam considerados na sua implementação.

Conheça alguns cuidados e os principais benefícios do consórcio do milho com a brachiaria ou clique aqui e peça seu orçamento online sem compromisso.

Consórcio de milho com Brachiaria: o que é?

Na atualidade, a agricultura mundial tem a necessidade central de se tornar sustentável, além de mais viável e competitiva.

Assim, a integração de atividades na propriedade rural passam a ganhar importância para alcançar a estabilidade do negócio agrícola.

Entre essas formas de integração, o consórcio do milho com Brachiaria vem sendo uma das alternativas mais recorrentes.

Neste consórcio, a forrageira pode ser semeada simultaneamente com a cultura produtora de grãos, no caso o milho.

O consórcio de milho com Brachiaria objetiva a produção de palhada para cobertura do solo, além da produção de forragem para alimentação do gado.

A diferença entre um e outro objetivo consiste basicamente na população e na distribuição de plantas, onde maiores populações são utilizadas para a formação de pasto para a alimentação animal e menores para a produção de palhada.

Essa tecnologia também permite a consolidação do Sistema Plantio Direto, gerando resultados positivos sobre as culturas subsequentes, caso da soja, além de maior conservação dos recursos naturais.

Foto: Diogo Cardoso Rojas

Dicas de implantação do consórcio de milho com Brachiaria

1 Para uma boa produção de forragem destinada à palhada, o ideal é obter 5-10 plantas forrageiras/m² no estabelecimento.

2 Para uma boa cobertura de palhada, é necessária uma produção de, no mínimo, 2t de matéria seca/ha.

3 Para posterior pastejo animal, o ideal é obter de 15-20 plantas forrageiras/m² possibilitando que ocorra uma boa formação.

4 Atenção à qualidade das sementes forrageiras. As sementes forrageiras são a base para o sucesso na formação da pastagem, por isso precisam apresentar um somatório de atributos genéticos, físicos, fisiológicos e sanitários que ofereçam a máxima qualidade do consórcio.

5 No caso de daninhas, o herbicida Atrazina – para controle de soja tiguera no milho – pode ser uma boa opção, pois não causa redução no crescimento da forrageira, desde que aplicado após a emissão dos primeiros perfilhos.

6 Para um leve retardamento da forrageira ou controle de outras daninhas, herbicidas como Mesotrione e Nicosulfuron são os mais utilizados em subdose de 15 a 20 dias após a emergência do milho.

7 As Brachiarias de porte mais baixo podem ser utilizadas com eficácia no consórcio de milho grão e espiga.

Características das Brachiarias para o consórcio com o milho

Foto: SOESP

Algumas características das diversas variedades de Brachiarias indicam como deve ser o manejo do consórcio com o milho.

Entre as variedades de Brachiarias e suas características, pode-se citar:

Brachiaria ruziziensis e Brachiaria brizantha cv. Paiaguás

Apresentam bom estabelecimento, com boa facilidade de manejo para produção de palhada.

O uso de herbicida para redução de crescimento ocorrerá somente quando necessário, visto que são muito sensíveis a esses produtos.

O intervalo para plantio gira em torno de 5 a 20 dias. Já a dose de glifosato recomendada para dessecação (36% e.a) é de 2-3.

Brachiaria decumbens

É caracterizada por apresentar bom estabelecimento e facilidade de manejo para produção de palhada, sendo mais adaptada a solos ácidos e com baixa fertilidade. O uso de herbicida para controle de crescimento é necessário, sendo que é moderadamente sensível a eles.

O intervalo para plantio gira em torno de 20 a 30 dias. Já a dose de glifosato recomendada para dessecação (36% e.a) é de 3-4.

Brachiaria brizantha cv Xaraés, Marandu e Piatã

Apresentam maior competição com cultivos anuais, sendo necessária a aplicação de herbicidas capazes de reduzir seu crescimento.

Pelo fato do manejo ser mais difícil, recomenda-se utilizar em pastejo por dois ou mais anos antes do retorno da cultura de grãos.

O intervalo para plantio gira em torno de 20 a 30 dias. Já a dose de glifosato recomendada para dessecação (36% e.a) é de 3-4.

Foto: SOESP

O tratamento exclusivo SOESP Advanced está disponível para todas estas cultivares, optando por estas sementes você leva tecnologia, segurança e custo-benefício para sua integração. As sementes Advanced são livres de pragas e doenças, compatíveis com qualquer maquinário devido à sua uniformidade e baixa aderência, inteligentes na absorção de água e vários outros benefícios.

Compartilhe:

Esse site utiliza cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site.