Como manejar cv. Ruziziensis sem erros

Entre as espécies do gênero Brachiaria, a B. ruziziensis é uma das mais conhecidas quando se trata de Integração Lavoura-Pecuária. Ela apresenta excelente cobertura de solo, possibilitando tanto o pastejo direto quanto a produção de palhada.

Mas, para aproveitar essa forrageira ao máximo, saber manejar ruziziensis corretamente é fundamental.

O estabelecimento da Brachiaria ruziziensis é realizado por meio de sementes.

A densidade e as técnicas de semeadura, a altura de entrada e saída dos animais em sistemas rotacionados e as exigências dessa gramínea são características que devem ser sempre consideradas. Conheça:

Principais exigências da B. ruziziensis

Considerada uma gramínea perene, capaz de atingir até 1,5 m de altura, a B. ruziziensis exige solos de média e alta fertilidade para a sua semeadura, sendo indicada para bovinos de recria e engorda.

Por não produzir touceiras e conseguir uma excelente cobertura de solo, ruziziensis é usada principalmente na entressafra de culturas (como é o caso da soja), propiciando ótima cobertura de solo, supressão de invasoras e alimento de qualidade para animais.

A densidade de semeadura da ruziziensis é bastante variável, pois depende das condições de plantio (sistema a lanço, manual, em linha ou aéreo) — quando feito solteira, pode variar entre 6,5 e 12 kg/ha (SOESP Advanced), mas em consórcio, esse número pode ser reduzido até a metade, entretanto cada caso deve ser analisado com auxílio de técnicos. A germinação ocorre entre 7 e 21 dias em condições ideais.

Como manejar ruziziensis sem erro?

1. Deve-se conhecer todas as condições para plantio 

Essas condições referem-se ao preparo de solo, condições climáticas da região (chuva, temperatura do solo e luminosidade), se o solo foi corrigido (calagem) e fertilizado e se há problemas com pragas (formigas, cupins, grilos, gafanhotos, lagartas, cigarrinhas etc.) e/ou com ervas daninhas.

 2. O momento do plantio é fundamental

As sementes podendo ser distribuídas de 4 formas: a lanço, manualmente, em linha ou aérea.

  • Na distribuição a lanço, com calcareadeira ou manual, as sementes devem ser cobertas com solo imediatamente após a distribuição na área.
  • No plantio em linha, deve-se usar a menor distância possível entre as linhas.
  • Caso o plantio aéreo for o escolhido, deve-se utilizar de 30 a 40% a mais de semente que o recomendado.
  • Incorporação de 2 a 3 cm no solo.

 3. Cuidados diferentes para pastejo direto e pastejo rotacionado

Em pastejo direto, deve-se ter muito cuidado com a altura da forragem, mantendo-a por volta de 20 cm, caso contrário a área pode entrar em degradação.

Para o pastejo rotacionado, a altura de entrada dos animais deve ser de 30 cm. Já a saída, deve ser de 10 a 25 cm, dependendo da fertilidade do solo.

4. Cuidado com o superpastejo

ruziziensis apresenta alta palatabilidade, sendo bem aceita pelos animais. Por essa razão, deve-se ter cuidado com o superpastejo, que pode comprometer a sua rebrota.

Por ser uma forrageira com alta digestibilidade, hastes maleáveis e boa produção de folhas, deve-se mantê-la no sistema de pastejo por um curto período, de 3 a 6 meses, ou o durante a entressafra da cultura. Para áreas onde o pasto se manterá por mais de 1 ano, existem outras opções com maior produção de massa e maior resistência ao pisoteio dos animais, como a BRS Piatã.

5. Tenha atenção com a cigarrinha-das-pastagens, devido à alta sensibilidade da ruziziensis.

É aconselhável evitar o superpastejo, além de evitar a formação de extensas áreas de pastagens com essa única espécie. Também por esta razão, ela é utilizada na entressafra ou por um período curto de pastejo, assim, a cigarrinha não chega a atacá-la.

 6. Observe as técnicas que visam melhorar as condições ambientais

Essa planta é também muito utilizada no sistema de plantio direto exclusivo para produção de palhada. Por isso, ao manejar ruziziensis, deve-se observar essas técnicas, respeitando-se três requisitos mínimos, que são:

  • Não fazer o revolvimento do solo;
  • Rotacionar culturas;
  • Formar palhada para proteger o solo.

Por fim, é importante lembrar que manejar bem a ruziziensis, ou qualquer outra pastagem, depende principalmente de sementes de qualidade: as sementes da SOESP têm origem comprovada, são livres de impurezas, pragas e doenças para que você tenha uma excelente formação de pasto ou palhada, sem preocupações. Conheça nossas variedades de sementes forrageiras de Brachiaria aqui.

Compartilhe:

Esse site utiliza cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site.